segunda-feira, 16 de agosto de 2010

sobre os últimos dias, tenho aprendido...


"ontem fui a cidade fria, levar a solidão pra passear...
tomei o vinho mais seco que experimentei em toda a minha vida
(porque era com a solidão que eu estava)
e uma porção de batatas que sem gosto nenhum
se aglomeravam no estômago-nazista como um
mortuário de batatas-judias descascadas em palitos."

embora surja com um tom triste (vinho seco e solidão),
ou cômico-macabro (estômago-nazista e batatas judias)
tenho porque de me alegrar...
pois não haviam fatos que me inspirassem novamente
a trazer letras até esta taverna. e de fato ainda não há...

mas talvez, até o fato de não haver inspiração pode ser
um ato para a escrita num lugar tão vazio
o quanto sou... ou estou...

mas de tudo, sei que tenho aprendido...
e as vezes, por uma fagulha de tempo, compreendo o porque
dos velhos serem tristes e calados... (ou seriam serenos e sábios?)

é porque a vida lhes ensinou da pior forma,
e tenho aprendido...

p.s.: meu lamento não se dá pelo quanto sofro,
mas pelo quanto fiz sofrer, e o quanto pago
por isso. não sob o olhar dos outros,
mas aqui dentro...
sobre tudo, insisto em não tornar devolta,
porque mesmo que o fizesse já não seria o eu de antes

"Não se pode entrar duas vezes no mesmo rio,
pois ele já não será o mesmo, nem você."
Heráclito de éfeso.

Um comentário:

Fragmentos concisos disse...

Me identifiquei com esse texto =D