segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

sobre deixar e ir



Tentei, Juro que tentei.

Essa é a frase que descansa o cadáver da minha alma, agora quando olho para um quadro fúnebre da minha vida com tantas fotos, cervejas e sorrisos.

Por certa vez tive um compromisso e fui tentado a quebrá-lo.
Racionalmente (e moralmente) resisti. "Não" é uma palavra que mulheres como Ela (na altura D'ela) não estão acostumadas a ouvir. Talvez isso me somou um certo apreço aos olhos D'ela. mas não vem ao caso. estava eu muito firme em minhas decisões.

Acreditava eu que tudo o que passamos em todos os âmbitos da vida não são eternos. (e de fato não devem ser, mas são profundos o suficiente para marcar mesmo! né?). Então "um fato" ocorreu que chacoalhou essa "minha teoria".
Naquele momento passara-se meses desde minhas decisões e o silêncio e um frigido comportamento tão distante, já não me colocava tão firme assim no que eu queria.
Bem, sobre tudo, Hombridade, Cavalheirismo, Respeito e Coragem nunca me faltou Graças a Deus!

"Entenda que isso é uma praça pública e não vou gritar tão alto assim para todos ouvirem, mas joguei limpo com quem eu tinha que jogar limpo (e até com quem eu não tinha), e resolvi mudar o curso do barco avisando a todos ao invés de apenas girar o timão".

Apoiado numa afirmativa que me garantiria que a mesma coragem que eu havia depositado, receberia de volta , segui cegamente como o suricati anda na direção da naja. e de fato eu fazia o mesmo.
Sobre tudo, observo a História não é de hoje (motivo ao qual possuo minha profissão, observar a história e ensinar...). pois bem.
há tempo para tudo. tempo para acontecer, e tempo que prova que algo não irá acontecer.
é parecidamente com o vinho. passando o tempo da uva, deixa de ser mosto e se torna vinagre... amargo e sem gosto aprazível.

Não é uma questão de se dizer: o que era doce, se acabou. porque continua a mesma porção do mesmo liquido base que sempre esteve no barril, só está azedo.... infelizmente azedo.

Atualmente esse vinho foi colocado de lado. E toda vez que eu visitava a adega para ver como isso estava andando, podia contemplar tristemente que fagulhas de fel estavam se acumulando com o tempo. "eu me aproximo, e me repreendes" "eu avanço e tu avanças para o outro lado" "perguntei-lhe se desejavas ter um doce novembro" e hoje já é mais que dezembro e nunca me respondestes...

Só um tolo como eu não percebera qual era a resposta escrita entre as linhas. e que qual era o meu devido lugar
(tão tão abaixo...).

vida garantida, festas, trabalho, sorrisos, fotos, e um lindo casamento.
isso é o que tens pela frente. o que eu posso prometer? nada! apenas não me subestime.

Quatro vezes rompeste algo comigo, hoje é minha vez.

hoje, desgastado e depressivo não vejo nenhuma das pessoas que compartilharam de momentos íntimos comigo, salvo uma personagem do teatro de veneza que orgulhosamente está "muito bem obrigada" rs...
mas orgulhoso tb sou...
"so carry on".

é claro que da mesma forma que estou a destrinchar isso aqui, falar-te-ei pessoalmente. porque algo que começa com vida não pode terminar com morte, nem
algo que começa com festa não pode terminar em tragédia, tão pouco
algo que se começa com os olhos, não se pode concluir com letras.

das prerrogativas finais, as mais comuns são aquelas "mas de uma coisa fique certa, a porta vai estar sempre aberta" não. hoje isso não. a sagacidade com que agi não merece ser nunca mais repetida.

Hoje, meus votos é que tenhas coragem para seguir em frente com as escolhas que fizeste deixando o tempo ao "God will give us" e que mantenhas o sorriso firme, sem mover um músculo do queixo. porque cada escolha é exatamente uma renuncia e que há escolhas que podem ser melhoradas e mudadas com o tempo, mas há oportunidades que talvez jamais voltarão.

A postagem de hoje muito triste para mim, mas como diz aquela frase:
"Não pense que Deixei por não ter forças para lutar, mas por não ter mais condiçoes de sofrer"
Espero que sejas feliz.