quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

[Cronicas da taverna] : ...um tal de José Cuervo...

Certa noite, abri a taverna para os marujos que chegavam do mar do Caribe, pois os mesmos trocavam, incessantemente o bom pão vespertino da feira por uma bela garrafa de rum! (não e lucrativo? rs...) pois bem. enquanto abria as portas e terminava de limpar o balcão, aproximou-se um senhor muito bem trajado e com uma peruca branca (o que lhe valia mais títulos que a roupa), pensei: putz... o cobrador de impostos... estou perdido! sem delongas ele se dirigiu a mim:

- procuro por um certo Don Rapouso Ladreau o dono da taverna.
- pois bem, sou eu! pode falar - um pouco que rindo.
- não, você não eh o rapouso que me falaram
- ah não? então como "ele" eh?
- bem... ele e...
- RAPOSO! DESCE OUTRO RUM PRA MIM E PRO MEU AMIGO JIMMY! - interferiu arrogantemente um marujo que acabara de se encontrar com amigo de Londres.
- então como estava dizendo... - dei um sorriso sarcástico enquanto lustrava...
- bom, neste caso me perdoe Don rapouso...
- não há problemas nisto! pra quem me conhece... da sarjeta ao palácio já fui tantas vezes confundido.... mas o que o trás a minha humilde taverna?
- pois bem, como ainda não me apresentei não posso iniciar esta conversa de forma tão grosseira, mas se me puder acompanhar gostaria de tomar algo enquanto conversamos
- tudo bem! - deixei o pano em cima da mesa, peguei uma garrafa de bordeau e fomos nos sentar.



- bom, meu nome e José António Cuervo, sou Espanhol e muito influente acerca de "la corona".
meus serviços prestados a majestade me renderam um bom pedaço de terra na província de jalisco no México onde o consumo de bebida eh muito grande.
- e....
- e e ai que entra minha oferta, com minha habilidade de administração consegui montar uma destilaria que a principio produzia o mezcal, porem decidi inovar e estou produzindo tequila.
- perai! vc eh um produtor de tequila vinda direto do México?
- sim, por que?
- por nada! negocio fechado! *balançando a mão de José - quero 15 barris para a semana que vem aqui em minha taverna!
- mas espere, tenho uma aqui comigo, e gostaria que vc servisse a mim e a seus marujos para verem o que acham.
-tudo bem....







*servida a tequila "que todos gostavam"


- antes de acertar o final gostaria de perguntar, por que saber da existência dessa simples bebida te alegrou tanto se de fato não tens o semblante de beberrão?
- porque não eh por mim que me lembrei de pedir e/ou beber.... mas pela minha raposa! ela sabe o porque....


"embora a raiva me tomava, por outro lado o sono dela era profundo"












Esta nota é uma forma de creditar os diretos autorais.
As imagens contidas nesta postagem referem se a obra denominada "le scorpion" pertencentes aos autores Enrico Marini (arte) e Stephen Desberg (roteiro). não possuem o fim lucrativo, degradação da imagem do personagem e nem o intuito de roubo de direitos autorais.

4 comentários:

Ind Caroline x) disse...

eeeeh mestre, mudastes bastante o estilo né, agora temos aqui um criador de contos... quem sabe não temos em breve "A Taverna da Raposa" por Rene Rapouso.. XD (um livro)..

Beeeijo (e tá ótimo o novo estilo de escrever).

Marconi disse...

POis bem: Fantasia ou Realidade?
A cada dia mais, a taverna traz contos da realidade, que so quem vive cada um deles, sabe o que é...kkkk
Cara adorei... muito bom... e o José Cuervo... mandou avisar que deve ter mias barris de tequila aqui por estas bandas este ano...kkkkkk
Muito bom!!!

Leon K. Nunes disse...

Tequila vinda direta do México?? hmmmmmmmmmmmmmmmmmm...!

Michele Hubner disse...

ei, me indicaram para uma brincadeira e eu te indiquei.. rsrs de novo, vai la ve