sábado, 22 de dezembro de 2012

Como seguir em frente

Acabou o mundo (de novo) e você não morreu.

Respire.

Está acabando o ano e você tem três coisas para constatar ao ler isso:

1) Você está vivo.
2) Você não está dormindo.
2) Você foi alfabetizado.

E então a vida segue em frente!

Agora, como então seguir em frente?

É fácil perguntar isso para um Idoso dos nossos dias como ele alcançou a longevidade, afinal todo o cansaço deste velho durante a sua juventude se mantinha no corpo. oras... eram as costas que pagavam com o trabalho, as pernas que pagavam com as correadas dos pais na hora da punição, eram os pés que pagavam pelo árduo caminho quilométrico até a escola que só ensinaria até a 4ª série e por aí vai. Tempos difíceis? Com certeza! Mas apenas para o corpo. Quero ver conviver consigo mesmo após os problemas que tanto afetam o intelecto de um centro urbano. Parafraseando a Personagem Capitão Jack Sparrow: "o problema não é viver para sempre, é conviver consigo mesmo para sempre".  Temos uma alegria meta-celestial por não conhecermos  nem um décimo de uma outra vida que nos cumprimenta ao sermos recepcionados num consultório. Mesmo porque além de não sabermos resolver os problemas da secretária (que está na sala com ventilador) do doutor (que está no ar condicionado), sequer podemos (ou queremos) resolver o que a tanto a aflige, sendo assim: Melhor "passar batido" e apenas dizer bom dia também.

Problemas o mundo (e todo mundo) tem de mais, nas áreas em que estamos menos atribulados, as vezes, nos damos o luxo de ajudar a outras pessoas a carregarem seus fardos, mas não estamos tratando do outros hoje! a grande pergunta que paira agora no ar é: como você consegue se olhar no espelho E seguir em frente depois de tudo que fez?

complicado né. vamos à algumas analogias que podem te levar a encarar um dia depois do outro de uma forma um pouco melhor.

Tente entender que Viver pode ser comparado com 3 coisas:

1) Escrever um livro inteiro com papel de seda com caneta tinteiro.
2) Escalar uma torre medieval pelo lado de fora.
3) Manter-se acordado depois de contusão na região craniana.

Escrever um livro inteiro feito de papel de seda já não é uma coisa muito simples. Primeiro porque seus momentos de empolgação devem ser regrados para não rasgar o papel e momentos de monotonia devem ser combatido com doses cavalares de compasso marchado para não descer mais tinta do que você está riscando a folha. Mas isso ainda não é o grande problema. Quando você pára a caneta em cima da folha e a tinta continua descendo, você não estraga uma folha só... você rasga a folha atual e mancha a segunda, terceira, quarta, quinta, décima, vigésima, trigésima. Tudo depende de quanto tempo você fica parado no mesmo lugar, perdendo tinta da carga como se fosse sangue tirado a vácuo. Portanto, tá escrevendo errado? tá ficando torto? tem parte ilegível? não importa. continue! quer rasurar algo que errou? de uns 5 riscos em "Z" sobre o erro, mas não gaste tempo pintando toda a área de erro... isso pode continuar manchando mais páginas. 

Outra coisa legal é escalar uma torre medieval pelo lado de fora. Parece babaca, mas tem sempre como escalar por dentro, mesmo porque poucas delas eram "preenchidas" com andares ou cobertura no lado de dentro. Agora sinta a facilidade que era: não havia argamassa para unir as pedras, elas eram empilhadas e possuíam um vão entre um bloco e outro de até 8 centímetros. E como uma escada cavada numa parede de pedras. tá fácil? é claro que tá! mas procure não olhar para baixo, porque da mesma forma que chegar na beirada de um prédio muito alto sem deitar na cobertura do prédio pode te jogar para baixo, contemplar uma escalada pela metade ou no "quase lá" pode ser extremamente perigoso, tanto para a sua posição, quanto para a altura que você está, quanto para a coragem que você precisa adquirir para chegar o topo. portanto, contemplar é algo importante mas reserve esse ato para um momento correto e seguro (ou seja: no topo ou em um patamar). Se não, você estará fazendo a coisa certo no momento errado. por tanto, agora, não importa, continue!

Não é só pra você que a vida é difícil! Tem mais um monte de gente que sabe exatamente o que você constata todos os dias (e posta no facebook) só que cada um a sua maneira. Cada um recebe a pancada no seu devido cenário, com a devida força, no devido lugar do crânio. E isso me lembra muito minha infância, quando levava uma pancada na cabeça e era acometido por um sono insuportável e minha mãe não me deixava dormir. Me distraia, falava alto, molhava o meu rosto, me colocava de pé, até que a dor se dissipasse e junto com ela quele sono forte. Hoje eu entendo quando em algum filme uma personagem grita com a outra que está baleado: Aguente firme! é exatamente não ceder e esse "sonão" que dá e que pode te levar um estado desacordado com sequelas gravíssimas. portanto, não durma. não se permita apagar, mesmo quando alvejado pela vida. Respire e não ceda à mancha escura que fica em torno da visão como um porta retrato.

É claro que esses conselhos não te tirarão do Ponto Neutro chamado de sobrevivência! Respirar, não olhar pra baixo e continuar escrevendo a sua história é o que todo ser que sobrevive faz. mas, e pra viver? "#comofaz"? Encare os fatos, a vida é uma sequencia gigantesca de um engavetamento numa grande avenida, e ainda sim te afirmo: não existe acidentes! Tudo o que precisamos é disposição e coragem de seguir em frente, independente dos empenos que a vida nos dá. Quando me referi sobre acidentes, re afirmo: eles não existem. o que existe é a nossa ilusão que temos o controle de tudo. é a grotesca ideia que nos dá alivio na consciência de que nada vai nos acontecer porque fazemos tudo certo e é claro que não é bem assim. Estamos parados diante de um fato randômico/conjectural chamado Vida em que tudo tem explicação, mas até os cientistas mais inteligentes do mundo estão com preguiça de escrever toda a justificativa e o leitor mais assíduo do mundo não está nem um pouco com saco para ler tudo isso. portanto, lute contra o que você quer, lute a favor do que você quer e aceite algumas coisas simplesmente como elas são. 

Sem parar de escrever, 
Sem parar de escalar, 
Sem fechar os olhos para dormir.


Tenham todos um bom futuro!



quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Lá Fora



Há coisas que fazem parte da nossa composição e são coisas muito mais básicas do que o próprio DNA. Uma delas é a composição que recebemos no período de nossa criação... Aquele período em que alguém nos ensina o que é bom, o que é mal, o que faz bem, o que faz mal. é o momento em que podemos começar a pensar em afirmar algumas coisas que "sim ou não" que queremos viver com algo, que podemos viver com ou sem algo, e que sem dúvida nenhuma não podemos sobreviver sem algo.
E foi na infância que recebi essa base tão fixa, sólida e estável da minha mãe! Desde a infância sempre viajei muito com ela. Seja para buscar tecidos na cidade vizinha para a confecção, seja para buscar roupas em outro estado, ou mesmo para fazer companhia porque eu já estava de férias ou mesmo consegui convencê-la de que eu podia faltar pois já tinha notas o suficiente nas matérias  lecionadas naquele dia.
Quando não tínhamos carro próprio, acordávamos muito cedo. Mal nasceu o sol e já estávamos em frente a rodoviária esperando o ônibus cuja viagem era maravilhosa (tá, talvez não era, mas o quê na nostalgia não é bom ou feito de ouro?) e então passávamos o dia (ou 2 ou 3 dias fora) com comida diferente daquela de "todo dia" de casa, parando em locais de madrugada com o ônibus num friiio daqueles das noites de inverno como de Petrópolis... E visitando os lindos lugares entre uma parada e outra. 
Sempre gostei e valorizei isso mesmo e hoje voltei do trabalho pensando nas viagens
Que fiz durante esse ano e na viajem que farei em minhas férias. subitamente me veio um desenho que assisti ininterruptamente várias vezes durante minha infância: O corcunda de Notre Damme.
Recordo-me como ontem quando minha mãe trouxe o vhs alugado para que assistíssemos juntos esse desenho animado.
Eu era muito empolgado com idade média desde a infância, mas a apresentação de um "não-heroi" como o principal e o tema "liberdade" acima de justiça, retidão, valentia ou vingança (ou qualquer outro tema já proposto pela Disney) com certeza me chamou mais a atenção.
Toda vez que o filme terminava minha mãe me alertava: “Rene! Valorize isso muito, meu filho! Liberdade é o bem mais importante que temos”. E não foram poucas as vezes isso.
Emocionava-me ao ver o Quasimodo triste, preso e isolado no topo do campanário... Sabendo o nome de tanta gente o observando-os desde a infância. De certa forma não há como não se identificar diante da sociedade que vivemos.
Mas sobre tudo, À LIBERDADE!!!
Por isso meus filhos/amigos/irmãos-de-estrada/conhecidos-da-internet/alunos e quem puder ler: 
Valorizem a liberdade!!! Assistam (re-assistam) o que eu vi
Pensem sobre o que eu vos falo hoje (que minha mãe me falou na infância).
Graças a Ela Minha mãe! Eu tenho esse ideário tão nítido e vital pra mim sobre liberdade!

À LIBERDADE SEMPRE!

Deixo-vos  um trecho da música "Lá Fora" do Filme e muito obrigado pela leitura!


Salvo entre os peitoris de pedra e o carrilhão
Aqui dentro a alegria some
Toda a minha vida eu vivi na solidão
Não ter liberdade me consome
Preso aqui em cima vi pessoas
Eu conheço todas pelo nome
Toda minha vida eu imaginei descer
Ir até lá
Passear lá
Lá fora
Como alguém comum
Me de um dia ao sol
Basta apenas um pra ser lembrado
Se der numa ocasião qualquer
Se eu sair
Se eu puder
Quero ir aonde der
Lá fora vejo tecelões moleiros e casais
Os seus rostos mostram o que sentem
Gritam xingam levam suas vidas tão normais
Essa é a vida que me cai bem
Agora para mim a hora
É de enfim
Ver se der
E o Rio Sena e além
Cada manha que houver
Quero ser alguém
Que vai aonde
Bem quer
O meu dia se vier
E ele vem
Um se quer
Digo amem
Se estiver tudo bem quando der
Vou também se Deus quiser

domingo, 25 de novembro de 2012

O Acelerador e a Panela.






Tem horas na vida em que você está só pensando e de repente sua visão perde o foco. você enxerga tudo, mas só no piloto automático. Pode ser que você saia deste estado contemplativo por si só ou através de outra pessoa, o que praticamente é a sensação de estar moribundo e imerso por águas e alguém te arrancar dali com uma mão só! pois bem.


Hoje estava eu aqui a pensar sobre coisas sem nexo e esforçando meus miolos para conecta-las. é claro! muitas combinações tiveram de ser abandonadas porque simplesmente não farão nexo (entre apenas as duas) tão cedo. mas tem duas coisinhas ao qual tenho presenciado tão bem ultimamente e que só agora fui acordar acerca de sua ligação: Cozinhar e andar de moto!


É certo que muitas pessoas não toleram viagens e se pudessem, se teletransportariam para o local de destino sem enfrentar horas de voo ou quilômetros de estrada. Da mesma forma existem as pessoas que correm de dois elementos na cozinha chamados pia e fogão. Para elas o modo arcaico de ter que preparar coisa por coisa, fritar, cozer ou assar vários produtos ao mesmo tempo e ainda por cima ter que limpar não pagam o rápido prato que elas engoliram sem mastigar. e sabe de uma coisa: Esse tipo de pessoa não entendeu nada!


Tão legal quanto chegar no destino é aproveitar cada curva que a estrada pode lhe oferecer. Buracos? chuva? pneu furado? tá! e daí? quem nunca queimou uma panela e perdeu parte do prato? ou melhor. quem nunca pagou um delivery e veio um produto mal feito (ou trocado)?


Tão belo quanto curtir a estrada para desfrutar do destino, é preparar um prato para se saborear a um , a dois, a dez. não importa.


aproveite o tempo sempre!

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Cavalheirismo


Me encontrei com uma Ex a pouco tempo atrás...


Já não sentia nada por ela mesmo. Mas dava para ver nos olhos dela uma certa “muralha” para que eu não conseguisse ver o que se passava dentro daquela cabeça mais jovem que a minha. Pois bem, O tempo Mudou, mas Eu Não!
- Olá! - disse eu após o namorado atual dela ir ao banheiro
- Oi…
- Não me leve a mal, mas eu quero confessar que foi de fato um erro bem grande de minha parte de deixar, pois hoje você está mais linda ainda! Espero que continue assim… Por fora e por dentro também. - vi um sorriso sem graça… e o queixo tremer… - Bem, ali vou eu, seu namorado está vindo agora. sorria sempre!
-tá…
Sem dúvidas, foi o “tá” mais tremido que já ouvi. Mas não fazia diferença. Mesmo sem ela fazer mais nenhuma diferença pra mim, me faz bem fazer bem para as pessoas que amo, e  para as que amei também.
resultado disso?

TWITTER: Ontem: @Fulanadetal: Cavalheirismo Hoje e sempre! vc sabe q até um Cavalheiro que já fez papel de canalha, no final das contas é um cavalheiro e dos raros. 
TWITTER: Hoje: @Fulanadetal: Cuidem de seus cavalheiros meninas!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

HalleluJAH!
















o genuíno,acontece quando seu eu pode soltar os dreads, correr sobre a relva sem precisar lembrar a ninguém o que ele é ou representa, apenas poder correr, perto da água ou no chão árido mesmo que em geral é onde nascem as flores mais fortes e lindas por suas resistência. É o momento de Dança, de liberação do corpo do padrões que a selva impõem, é o segundo de expressão da libação da alma onde racionalismo fica a perder de vista e o descanço da alma apenas apresenta a gratidão por mais um pedaço de ar dentro do corpo, permitindo o coração bater e o sangue correr, representado num único hurro HalleluJAH

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Quando Vier a Primavera - Fernando Pessoa

Quando vier a Primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.
A realidade não precisa de mim.
Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma

Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

A metade...

Eu perco o chão
Eu não acho as palavras
Eu ando tão triste
Eu ando pela sala
Eu perco a hora
Eu chego no fim
Eu deixo a porta aberta
Eu não moro mais em mim...

Eu perco as chaves de casa
Eu perco o freio
Estou em milhares de cacos
Eu estou ao meio

-Adriana Calcanhoto

domingo, 29 de julho de 2012

o que na verdade somos

O que nós somos senão seres humanos rolando a baixo o despenhadeiro da vida?

A que nos agarramos? coisas? pessoas? o que elas significam pra nós? o que elas tem de tão importante? o corpo (que um dia vai deteriorar-se e tornar-se-a desfigurado ainda em vida)? ou a mente (cuja caduquez não permite lembrar-se se quer de quem o ama)? de fato, os dois! e ao mesmo tempo nenhum dos dois. O que nós agarramos, na verdade, são as MEMÓRIAS, na HISTÓRIA e nas LEMBRANÇAS que nos geram este intenso significado que excede o CORPO, a MENTE e o TEMPO.

(BOM DOMINGO A TODOS) - RWPP

falar a tempo

o tempo não resolve ou cura nada. apenas coloca outras coisas na sua frente para que você distraia a sua vista ou se foque em outro ponto. a morte por exemplo, é uma constatação de que o tempo anda. e que coisas que nunca conseguiriam ser feitas devem ser aceitas, e que coisas que poderiam ser feitas e não foram por algum motivo podem ser um motivo para se arrepender severamente, e que há coisas que poderão ser feitas, e elas podem ser feitas ou não, mas depende do quanto você aprendeu perdendo outras oportunidades passadas. portanto, faça o que deve ser feito. (e não pense no lado retardado), pense no lado bom da vida, das constatações que parecem subentendidas, mas se curtidas ou declaradas, sei lá.... um "você é uma boa pessoa" ou eu "gosto de conversar com você!" ou "você é um importante e leal amigo e é uma honra te-lo ao meu lado". prova que quando pessoas que amamos nos deixarem, teremos a sensação de dever cumprido, e que ele ouviu exatamente o suficiente o que eu queria dizer.

é estranho e engraçado quando me declaro para as pessoas que eu amo, para os meus amigos que tanto quero perto (ou os que sinto tanta falta), e para meus colegas (que eu quero que se aproximem mais)... muitos pensam: ou esse cara tá em depressão, ou tá com câncer ou aids ou tá achando que vai morrer numa estrada um dia....

se é alguma coisa aí em cima... eu não sei...mas eu acho que não. a verdade é que eu quero que apenas saibam... :)

não consegui falar para todos, o que penso e quero ainda, mas acredito que tenho tentado fazer valer as oportunidades e é isso.

terça-feira, 17 de julho de 2012

espirro com gosto de sangue...

oi blog! quanto tempo faz que eu não espanco você! né?

poisé... o tempo passou, o seu tempo passou, o meu tempo passou... mas agente continua amigo!

"amigo" (...)

a verdade é que eu vim aqui na beira do penhasco pra jogar pedras lá em baixo, e ver que tudo é um conjunto de apenas fatos sozinhos. o sol brilha pra todos, mas tá sozinho. tipo nós... tipo eu.

Não nasci com ninguém e vou morrer sozinho. e esse iato entre nascer e morrer é tão fixo quanto a corda bamba em que o equilibrista leva toda a sua vida, diante das luzes e das alturas, diante das vaias e das pipocas.... diante do quadro e dos livros...

... estou cansado.

Mas o fato é que cada vez em que o trem pega uma reta e vamos diretamente para um túnel, eu sei que depois tem uma luz.... o problema é quando a luz começa a ficar distante...

Não é perda de esperança, ou falsas esperanças. Eu sei que tem lá uma luz... mas é que a demora desta vinda me mata a cada segundo, e eu temo não conseguir enxergar mais quando ela vier...


Hoje estou a 3 dias de um encontro de motociclistas... (sabe aquela luz no fim do túnel? então! é ela!) eu sei que eu vou curtir muito, que eu vou rever meus amigos, colegas e conhecidos, que eu vou ter histórias da estrada pra contar, e que eu vou fazer amizades, e que na segunda feira, haverá uma pilha dobrada de problemas na escola, e em casa, mas eu vou caminhar por esses corredores como se estivesse tudo em mudo e em câmera lenta (sabe, tipo aqueles filmes em que a pessoa está em outro estado....) eu sei que saídas como essas, são bálsamos para alma ferida, endividada, entristecida, e/ou desanimada e eu sei que é um torniquete para a dor. mas até chegar o dia...

eu me sinto um lixo.


por exemplo: na quinta-feira (como já aconteceu com todas as outras quintas-feiras antes de outros encontros) eu passo muito mal, me doem as dobras dos braços e pernas, o estomago embrulha, e o mau-humor é explícito.

não sei se isso tem cura e nem sei se quero ser curado disso, mas tenho tentado conviver com esse monstro e é difícil.

... bem... é isso...

obrigado por me deixar vomitar em você. Pode ir se lavar agora.


quarta-feira, 30 de maio de 2012

O Atirador (Baseado em O atirador - Lenine)



O atirador tira a dor de quem o paga pra matar
matar essa vontade, esse desejo de ver
o outro se encontrar com a morte

a mesma "mucama" que amamenta seus filhos desde o primeiro "não"
até o ultimo "me dá".

o atirador tira a sorte de quem tem o que viver
e dá a morte àquele o que tem de merecer.

o "atirador" embora já pago não retira nada.
pelo contrário apenas entrega

eu sou o chumbo e tu és a pele.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Medo


Você diz que ama chuva,
Mas, você abre o guarda-chuvas.
Você diz que ama o sol,
Mas, você busca uma sombra.
Você diz que ama o vento,
Mas, Você fecha suas janelas.
é disso que eu tenho medo,
Você diz que me ama também.

-W. Shakespeare