terça-feira, 30 de novembro de 2010

Receita da Taverna: Peixe na cerveja!


Senhoras e senhores, é com muita honra e alegria que abrimos a cozinha da Taverna da Raposa nesta madrugada de terça feira, para que aprendam que nem só de vinho vive o homem, mas de peixe e de cerveja tb! (e batatas, e kebab, e pizzas, beiruts e por aí vai!) rs....

bem, a receita que vos apresento, foi me trazida por um homem do mar, descendente dos nórdicos países e a mim confiada, para que no momento certo fosse divulgada aos homens!

pois bem, terça de madrugada (eu espero conseguir cumprir isso rs....) será publicado um prato ou uma bebida (mistura) aqui na taverna da raposa para dar tempo de comprar os ingredientes até as festas do fim de semana. portanto....

sem mais delonga, eu vos apresento:

Fisk stuvad i öl (Peixe na Cerveja)




Ingredientes
1 cebola
1 colher de sopa de manteiga
250 ml de cerveja
1 peixe de1kg (truta, por exemplo)
2 colheres de sopa de farelo de pão

Modo de Preparar Limpe o peixe. Pique a cebola em pedaços pequenos e doure na manteiga. Acrescente a cerveja e deixe ferver. Coloque o peixe e deixe cozinhar durante 20 minutos.Quando pronto o peixe, retire-o e coloque em uma travessa. Com o líquido que ficou na panela, faça o molho: coloque o farelo de pão e mexa até alcançar a consistência desejada. Coloque sal a gosto. Despeje o molho sobre o peixe. Espero que tenham gostado e até a próxima!



[é sério! funciona!]

Sobre atualizações


Primeiramente, gostaria de pedir desculpas aos nobres leitores que errantemente passam por essas bandas e já se encontram demasiadamente desanimados por não verem nenhuma postagem.

infelizmente é um Estigma.

Dos três anos que esta taverna se mantém de portas abertas, os dois últimos fins-de-ano (que inclui esse) não é nada mais, nada menos do que conturbado (ou seria melhor dizer perturbado?).
É claro que existe outros fatores humanos (ou seriam, outros humanos?) neste processo, mas como eu acredito que já estou bagunçando demais, não devo me alongar com as palavras.

Nobres, antes de mais nada, preciso afirmar que este Blog é uma ferramenta criativa. E a célula rítmica (falei bonito hein?) disso tudo consiste em grandes emoções (dor, raiva, ódio, amor, desejo... dentre outros). Mas há horas em que a emoção é tão forte, ou que o turbilhão de acontecimentos é tão intenso que não há como fazer nada a não ser respirar, (se é que dá para respirar ainda).
mas como dizia Shakespeare (la vai eu citar O cara de novo): não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não para para que você o concerte-o. (e nem esse blog) rs...

portanto, dadas as desculpas é hora de atualizar essa taverna!

como eu disse anteriormente, um ebook com os contos compilados da taverna será lançado logo logo, pois se encontra em seus estágios finais de produção, rs... ai ai...

então para não se perder o costume, em segundos adiante vou subir uma postagem interessante! a cozinha da taverna.

são receitas legais que eu pego por aí! (a maioria num lugar chamado taverna sádica), mas vamos ver no que dará!

quanto as postagens da taverna (sérias mesmo), peço apenas um pouco de paciência para que eu respire.

exatamente esta noite estarei visitando todos os blogs "do que o lobo lê na taverna" e comentando tb!

obrigado pela paciência. e me desculpem os transtornos causados.


terça-feira, 16 de novembro de 2010

NOVOS RUMOS

Senhoras e senhores, Nobres leitores e caros colegas.

SEJAM NOVAMENTE E ETERNAMENTE MIL VEZES BEM VINDOS!

para retirar um pouco da poeria,deste blog, resolvi re-organizar algunas coisas e assim lançar "a terceira temporada".

Até o fim de novembro, haverão comandos novos no blog, que permitirão ler apenas os contos e até baixa-los, como quiserem.

Uma outra proposta é a postagem de receitas de um drink por semana, como é servido na taverna da raposa.

e algumas "coisitas a más"...

de cara, o template é um tanto soturno e não tão alegre quanto a antiga taverna amarelada com ciganos tocando e mulheres dançando. (talvez não seja fixo, mas por hora é necessário mudanças).


o motivo da mundaça? muitos! rs... necessários e suficientes para expor não só amadurecimento do nosso conhecido taverneiro D. Rapouso Ladreau, como uma leva de novas inspirações que guiam a alma deste que vos escreve.


bem, fiquem agora com novas postagens (acredito eu que duas por semana),
e faça algo contraditório: Guarde-as com você e não deixe de divulgar! rs...

oks?

até breve então!
_______________________________
Rene William
A Taverna da Raposa: Porque todos somos feitos de Carne, Ossos, Sangue e Sonhos!


clique na imagem, se quiser! =D

terça-feira, 9 de novembro de 2010

apenas uma citação...


"Mas talvez segue-se o reino assim, Morgana.
Tu, minha irmã... confidente e amada. eu Rei, e guardador de um lugar que é só meu...
Quem sabe, quando ferido de morte, no fim da vida, não me leves num barco, deitado em teu colo para Avalon..."







Embora esta postagem não seja grande, bonita ou tenha algum nexo, significa muito para mim.
por isso resolvi posta-la...
e como dizia uma amiga: "quanto mais triste, mais bonito soa."

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

se aprende


Depois de um tempo se aprende que parafrasear shakespeare não significa ser intelectual, mas se você sente o mesmo que ele, é no mínimo Nobre.



Depois de um tempo se aprende que o conceito de amor está muito mais na intensidade em que caminhamos juntos, do que na distancia que percorremos.



Depois de um tempo "saca-se" que um beijo pode até selar um pacto, mas o pacto é feito nos olhos.


e aprende que não importa a quem prometeste algo, cumpra amenos o que um NÃO lhe seja escarrado nos olhos.



Depois de um tempo, aprende que nem todas as culpas são suas. mas ninguem faz nada sozinho.



Aprende que não importa quem errou, precipitou ou sonhou demais, você é responsavel por Suas decisões.



Aprende também que citar o pequeno principe é lindo e que os olhinhos dela brilham quando ouvem, mas deves ser homem o suficiente para descobrir a palavra RESPONSABILIDADADE quando cativas um coração.



Aprende que não importam o que digam a você ou a ela, ou o que ela mesma diz a ela. quando você sabe quem você é, onde mora nela, e o que faz com ela.



Descobre que a valentia não está em apenas degolar o dragão para conquistar a princesa, mas antes saber se realmente ela lhe estendeu a mão.



Descobre que as regras cantadas, escritas e vividas por inumeras almas não se comparam as regras que o coração traça, e se contráriado, ele não faz nada.... só para de bater...



Descobre que há vida. que há inúmeras vidas após outras, mas nenhuma delas se comparam a vontade que eu tinha de dividir A MINHA ao lado DA SUA.



Descobre que o romance de Werter é tão parecido com o seu, porque é a frustração que rende textos e cartas... embora quisera eu que a bomba ritmica das letras fosse a esperança.



Não se importa com que ameças de ultrages dos outros possam causar, uma vez que sei o motivo das ameaças e mesmo assim persisto em querer.



Descobre que é impossível terminar o que não começou, mas que é impossivel negar algo que já existia a muito tempo, mesmo em forma de extensa admiração e consideração



Aprende que pra mim, a diferença entre possível e impossivel. É que o impossível demora um pouco mais.



E a prende que quando queremos muito alguem, ela se esbarra com agente no meio da rua e tudo fica muito mais lindo, mesmo com um simpes oi!!



Aprende que quando os olhos, os risos, as músicas, o clima, o trampo e os sonhos batem (e diga-se de passagem tão bem). é fácil pensar quem se quer... quem se É



e se você dorme pensando, e sonha, e acorda com a mesma pessoa na cabeça... devo dizer que sim.... "encanto" é uma outra palavra para amor...


sobre tudo



"Não diga que o que ocorreu foi um mal entendido, se agente se entende tão bem!"

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Saudade


Estava ali, mas nós somos assim mesmo,
não damos o devido valor quando se tem em mãos;
Agora longe, muitas vezes sem nenhum tipo
de contato é que vemos é que um simples aperto de
mão pode arrepiar até o último fio de cabelo;
Ontem sentia que faltava algo,
hoje você é responsável por uma dor que não me é cruel,
mas machuca tanto.


Bob Marley

Nunca achei que seria tão precisa essa frase.

Me perdoe, mas é a saudade, é a esperança ou algo

que um pobre ignorante não sabe explicar.

Aquele beijo (que ainda não houve)